2012/02/24

Temos é que ser gente, pá!

Não tenho nada para dizer sobre o José Afonso, que não sejam trivialidades ou factos que todos conhecem. Sei que havia uma cassete lá em casa que eu rebobinava para ouvir o "Natal dos Simples", a minha favorita na altura em que pensava que o nome era Josécafonso.

O que é certo, a ver pelas homenagens, pelas lembranças, pela quantidade de videos youtube a circular por essa net fora é que homens como ele não morrem. O que nos deixam é maior e mais vivo que qualquer organismo.

O que é preciso é criar desassossego.
Quando começamos a procurar álibis para justificar o nosso conformismo, então está tudo lixado! Acima de tudo, é preciso agitar, não ficar parado, ter coragem, quer se trate de música ou de política. E nós, neste país, somos tão pouco corajosos que, qualquer dia, estamos reconduzidos à condição de homenzinhos e mulherzinhas. Temos é que ser gente, pá! *

José Afonso, 1985

E agora deixo aqui uma das minhas favoritas. Agora que já sei que o nome é Zeca, Zeca Afonso.

* roubado à Nucha


acrescento depois de uns quanto minutos de guerra
com o youtube e com o blogger: o video segue no próximo post,
que neste aparentemente, não é possível....