2011/05/16

Não me decidi

sobre qual o drama pessoal que teria prioridade neste novo rol de queixume e maldicência. Vou só desbafar sobre algo que... me abafa.

Faz-me desesperar: há pelos dele espalhados por todo o lado, quando se entusiasma, morde-me. Mas depois faz coisas queridas e eu desculpo-o. Às vezes apetece-me estrafegá-lo, fazer-lhe mal, magoá-lo como me faz a mim, mas tem uns olhos tão bonitos que eu desisto. Apetece-me esquecer de lhe comprar jantar, mas depois tenho pena...
........

Podia continuar com este texto de forma a criar no leitor a dúvida: "ela está a falar do gato ou de uma pessoa?" Mas como é óbvio pela minha a total ausência de vida social,  pessoal e outras, estou a falar do gato.
Pronto, matei o suspense.