2011/03/05

O surto psicótico ou como o meu gato me fez refém #5.2 Episódio Especial



Nos episódios anteriores soubemos de como Manel aterrorizou humanos adultos e como se arrependeu. Já em casa, aparenta estar mais manso do que era antes do surto e coxeia de uma pata.
Hoje no episódio especial vamos saber de como a noite passada foi difícil e as resoluções tomadas.




Se há coisa que o Manel sempre foi é rabugento. Sempre miou muito. Forma de comunicação que infelizmente ainda não é totalmente entendida por sua dona, que lamenta profundamente.
Ontem estava especialmente rabujas e miou que se fartou o que por si só não é problema, porque tal como os pais de crianças pequenas que deixam de os ouvir berrar e chorar em locais públicos e fechados, também sua excelsa dona em uma capacidade porreira no que toca a não ouvir os miados do gato.
O problema aqui é um: se andei a adiar a ida ao médico por temer que enfiá-lo numa caixa diminuta, metê-lo no carro e ir para um sítio cheio de animais o poderia levar a um estado de profunda loucura, neste momento temo pela minha segurança: ontem a besta regressou aos miados de cio! Estrategicamente parado à porta do meu quarto soltava aqueles sons enrolados e motivadores de pânico que tão bem conheço.
Adormeci cheia de fome e com vontade de fazer xixi porque temia sair do quarto.
Por isso hoje é que é o dia: vamos ao médico. Se lhe der a macacoa, estará fechado numa caixa que eu posso "acidentalmente" esquecer em qualquer lado...

Próximo episódio:
Como se porta o Manel na consulta e quantas cicatrizes ganhou o médico que o atendeu.