2011/02/24

O surto psicótico ou como o meu gato me fez refém #1

A pessoa convida amigos para festejar. A pessoa festeja. A meio do festejo olha para o gato, mas já não é ele que ali está. É outra coisa. É um monte de pelo com o dobro do tamanho, olhos tresloucados, as unhas de fora e os dentes à mostra.
A seguir, aquilo que era o meu gato, mas deixou de ser, gritou espernou e agrafou-se às pernas da convidada que depois de se libertar fugiu para a cozinha e fechou a porta. A fera jogou-se contra a porta enquanto gritava e gemia e fazia coisas esquisitas.
A pessoa (eu!) chama com voz autoritária "Manel! Que é isso?! 'Tás-te a passar?" A besta olha para mim, arreganha os dentes, põe-se de pé, grita, geme, faz coisas esquisitas e agrafa-se às minhas pernas.
Depois de me libertar, tentei levá-lo para a casa de banho, para o trancar, como é óbvio! Ao chegar à porta, depois de me ter perseguido pelas escadas, atento a cada movimento, a besta resolve agrafar-me outra vez as pernas. A pessoa (eu!) grito atiro-lhe com o aquecedor que estava à mão e tranco-me dentro do quarto.
A segunda visita, que tinha ido lá a casa festejar, está sozinho no meio das escadas com um suposto gato que grita e bufa e geme, e faz coisas MESMO esquisitas. A segunda visita fecha-se na casa de banho.

Resultado: 3 adultos reféns de um gato com 9 meses.

Amanhã continua....