2011/02/17

A doença

é crónica e não é física.
Estou melhor, mas amanhã não se sabe. Nunca se sabe o dia de amanhã.
E em vez de me dar uma daquelas que fico de cama e não me mexo é esta morte lenta que não ata nem desata o que me irrita solenemente.