2007/11/30

à falta de deus... fala-se a quem queira ouvir

obrigada pelas greves
pelos dias de descanso,
pelas descompressões
pelo alcool e tabaco que me entopem
obrigada pelos risos e piadas ditas à noite encobertas pelo nevoeiro
obrigada pela desinibição do alcool
e pela sua capacidade de nos sacar as verdades
obrigada também pelas declarações de amor e simpatia tardias
misturadas com o bafo a vinho e o brilho do olhar alterado
pelos abraços dados com mais força que noutra altura qualquer
obrigada pela ressaca que me fará pensar duas vezes quando chegar perto de outro copo.
obrigada pela música péssima das discotecas que nos fazem pensar noutras coisas e observar
pela falta de vergonha de encarar o mundo no dia seguinte
pelas conversas agradáveis em que não entram metafísicas nem balelas
pelos instantes partilhados numa mesa pegajosa
pelas músicas recordadas
pelas recordações que saltam para a nossa frente e nos obrigam a lembrar delas
pela sensação de que aconteça o que acontecer haverá sempre uma mesa suja num bar escuro cheio de fumo à nossa espera